Caso Daniel Alves: esposa publica carta na qual indica fim do casamento com o jogador

Ex-lateral da seleção brasileira e Barcelona está preso desde janeiro acusado de estupro

| GLOBOESPORTE.COM / REDAçãO DO GE


Carta de Joana Sanz sobre a relação com Daniel Alves — Foto: Reprodução/Instagram

A modelo Joana Sanz, esposa de Daniel Alves desde 2015, publicou nesta quarta-feira uma carta em suas redes sociais na qual comenta a situação da relação com o jogador, preso preventivamente desde o dia 20 de janeiro em Barcelona acusado de estupro. No texto escrito à mão e registrado em foto por Joana, ela indica o fim do casamento entre os dois e uma "próxima etapa de vida"

- Eu o amo e sempre o amarei, quem disser que o amor está esquecido está se enganando ou não amou de verdade. Mas eu me amo, me respeito e me valorizo ​​muito mais. Perdoar alivia, assim fico com a mágica e encerro uma etapa da minha vida que começou dia 18/05/15 . Agradeço pelas oportunidades e aprendizados que a vida me proporciona, por mais difíceis que sejam. Aqui está uma mulher forte, que está seguindo para a próxima etapa de sua vida - diz o texto, fotografado em postagem em que Daniel está marcado.

+ Caso Daniel Alves: brasileiro pode pegar de oito a dez anos de prisão, diz jornal

+ Caso Daniel Alves: primeira esposa visita jogador na prisão e crê em inocência

No texto, Joana fala sobre "meses horríveis", "sensação de abandono e solidão" e diz que sempre teve o apoio, amor e atenção de Daniel Alves. E, por isso, é difícil de aceitar que ele "poderia quebrar em mil pedaços" seu coração. A modelo também indica que seguirá apoiando o jogador "de outra forma".

- Sou incrível porque sou trabalhadora, independente, inteligente, atenciosa, carinhosa, engraçada, fiel e humana. Tão humana que, apesar dos estragos que me causou, continuo aqui ao seu lado. Continuo e continuarei a ser, mas de outra forma - escreveu.

O processo contra Daniel Alves

De acordo com o "El Mundo", o Ministério Público espanhol julgará Daniel Alves pelo crime de "agressão sexual com penetração", com pena prevista entre quatro e doze anos. Fontes judiciais confirmaram à publicação que o brasileiro tem o agravante de “abuso de autoridade' e que a pena passaria de oito anos de reclusão. É esperado que seu julgamento ocorra até o fim desse ano.

A última decisão da Justiça espanhola em relação a Daniel Alves foi a manutenção da sua prisão até o fim do julgamento. O pedido de liberdade que veio da defesa do ex-atleta foi negado em fevereiro.

+ Jornal afirma que Daniel Alves não estava no banheiro quando vítima entrou

No despacho para a recusa do pedido de liberdade provisória, os juízes Eduardo Navarro Blasco, Myriam Linage Gómez e Carmen Guil Román justificam que o conhecimento de novas provas e o avanço da investigação "aumentam exponencialmente" o risco de fuga inicial. E também frisa que o brasileiro não tem ligações expressivas com a cidade de Barcelona, uma vez que estava na Espanha de férias. Ele seguirá aguardando o julgamento, enquanto a investigação já é considerada como avançada.

O documento afirma que há "diversos indícios da criminalidade de Daniel Alves" e que eles "não partem só das declarações da denunciante". Também pesariam contra o brasileiro depoimentos de funcionários da boate, amigas da vítima e vídeos analisados. Além dos exames de corpo de delito e de DNA colhidos durante a fase de investigação.

A decisão tomada pela audiência em Barcelona é baseada apenas no pedido do advogado de Daniel Alves para sair da prisão, analisando o risco de fuga. Não foram analisadas provas para determinar se ele é ou não culpado, algo que será feito no dia do julgamento. Não há possibilidade de recurso sobre essa decisão, mas a defesa do jogador pode solicitar em caso de novas argumentações.

Defesa de Daniel Alves: "Sentença assimétrica"

A defesa do jogador brasileiro lamentou a decisão. Reforçou a crença na inocência do cliente e indicou pesos diferentes às provas produzidas no processo. Disse que o juízo considerou os indícios produzidos anteriormente no processo e desconsiderou os novos, produzidos pela defesa.

Cristobal Martell, advogado de Daniel Alves, vai preparar outro recurso ainda na tentativa de colocar o jogador em liberdade durante o processo. Confira a nota da defesa:

"Daniel Alves da Silva segue sendo tão inocente como era antes do veredito do processo. Sua vontade de abandonar a Espanha e evitar o proceso era e é inexistente. A sentença é assimétrica. Utiliza como indícios as afirmações de culpa que oferece o atestado policial e, por outro lado, os elementos de inocência que oferecem a defesa deixam para o julgamento oral."

+ Caso Daniel Alves: restos de DNA encontrados na vítima são dele, diz jornal

TV: Daniel Alves disse que estava bêbado

Segundo a Revista “A Semana', Daniel Alves teria, em ligações à esposa Joana Sanz, dado sua quarta versão para o caso, alegando que estava bêbado e que não lembra de nada da noite do dia 30 de dezembro.

Antes o jogador brasileiro havia negado qualquer tipo de abuso, afirmou que estava apenas dançando na boate e que nem sequer conhecia a mulher. Depois, no primeiro depoimento à Justiça, Daniel Alves disse que estava no banheiro quando a mulher entrou, mas que não teve contato algum com ela. Por fim, admitiu a relação sexual, mas de forma consensual.

+ Caso Daniel Alves: Juíza afirma que há 'provas suficientes' de estupro + Caso Daniel Alves: veja o que defesa alega para pedir liberdade de lateral

A vida de Dani Alves na prisão

O “Programa Ana Rosa', da emissora espanhola “Telecinco', entrou em contato com um companheiro de prisão de Dani Alves no presídio Brians 2, que explicou a vida do jogador atrás das grades.

- Alves procura passar despercebido e é muito simpático com as pessoas. Há funcionários que levam água para ele e há outros que ficam contentes por o ter ali – disse o presidiário, que não foi identificao.

- Ele não fala muito, mas o que ele diz é que não abusou de ninguém, nem bateu em ninguém – completou.

A acusação contra o jogador

Os principais jornais da Espanha – como "El País" e "El Mundo", de Madri, e "El Periódico" de Barcelona – publicaram trechos do depoimento prestado à Justiça pela mulher que acusa Daniel Alves de agressão sexual. O jogador está em prisão preventiva sem direito a fiança. Ele nega ter cometido o crime do qual é acusado.

De acordo com os relatos publicados pela imprensa espanhola, a vítima contou no depoimento que no dia 30 de dezembro de 2022 estava na boate Sutton, em Barcelona, quando o grupo do qual fazia parte recebeu um convite para entrar numa área VIP. Um garçom as levou até uma mesa onde estava Daniel Alves, a quem a vítima inicialmente não reconheceu. Um grupo de mexicanos, amigos do jogador, o apresentou à denunciante.

Segundo os jornais, a vítima relatou à Justiça que ela e Daniel Alves dançaram juntos até que o jogador "levou várias vezes a mão dela até seu pênis, que ela retirou assustada". Por volta das 4h30 da madrugada, ele pediu a ela para segui-lo até uma porta. Assim que entraram, ela se deu conta que estava num banheiro. Ali teria ocorrido a agressão.

Sempre de acordo com o depoimento da denunciante, ela teria tentado sair do banheiro, mas foi impedida. Daniel Alves a teria penetrado de maneira violenta até ejacular. Ele teria sido o primeiro a deixar o banheiro. Quando ela saiu, contou o que aconteceu a uma amiga. Quando a segurança do local foi informada, o lateral já tinha deixado a boate. A vítima foi imediatamente fazer exames num hospital. Dois dias depois, ela fez a denúncia à polícia.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE